sexta-feira, 12 de dezembro de 2008


ao longe um brilho...

no ouvido aquela melodia...

no pensamento aquele sorriso...

no corpo o cheiro a maresia...

ao longe o sonho perde-se no tempo...

perto a sensação de seda...

a um toque aproxima-se o norte...

um vazio que cai no abismo...

um chorar por lembrar...

um pesadelo que desfia um novelo...

um rol de lágrimas perdidas e esquecidas...

apagadas num silêncio que amordaça...

presas numa ilusão de um coração...

ao longe uma réstia de aroma doce e floral...

perto o desejo alemejado e carnal...

no pensamento a saudade...

no sentimento a dura verdade...

na vontade uma chama que arde...

na voz uma melodia que parte...

no escuro o malfadado segundo...

o mesmo que me fez mortal...

triste, vulgar e banal...

o mesmo que me levou o que de ti me restou...

9 sonharam comigo...:

Pedro Barata disse...

Hoje resolvi visitar este teu canto e gostei. Escreves muito bem este tipo de textos.
Parabéns

Beijinhos

Alguém disse...

E eu concordo com o Pedro Barata. Muito bem, mesmo!

beijinho

antonio - o implume disse...

Perdemo-nos vazio quando não nos sentimos preenchidos...

DANTE disse...

O tempo cura tudo :D

Jokas :)

Tiago R Cardoso disse...

junto as peças das recordações com que fiquei...

Adorei.

XS disse...

Fiquei triste... o que quer dizer que o teu poema é muito bom...
Beijinhos :(

rouxinol de Bernardim disse...

«Triste, banal», mas que raio de baixo astral!

Vai ao meu blog e recupera o moral!

OnlyMe disse...

Não foste tu que me disseste q as palavras deviam ser um pouco mais coloridas e alegres?! Como eu te entendo!! hehe
Bom fds para ti.
Jinhos :)

Pinto disse...

Muito bonito..

Beijinhos

Enviar um comentário