quarta-feira, 15 de julho de 2009

Hoje não...

Olhei em frente...pensei ser gente...
Senti-me dona do mundo...
Que presunção a minha...
Pensar que o meu ser era suficiente...
Que dando o meu simples segundo
o meu momento ou hora vinha...

Tantas vezes perdoei....
Vi o verso da medalha,mas que falha...
Julguei que os meus valores eram certos...
Tantos tombos levei...
Senti na pele o machado que retalha
a carne dos fracos e honestos...

Nada aprendi com as loucuras que cometi ....
A não ser o sabor das lágrimas
que foram caindo ao longo do tempo...
Quantas e quantas vezes sorri
depois de mágoas e lástimas,
E mesmo assim dei alento...

Sempre me levantei...mas hoje não...
Tantas vezes a mim mesma menti
e pensei que a minha historia iria chegar...
Pensei que teria no meu coração
a doçura que tanto dei e não tive quando pedi,
Que tola fui eu em acreditar....

Olhei em frente...Julguei ser gente...
Caí num chão sem fundo...
O soalho se abriu e engoliu-me...
Nunca mais tenho em mente
Que o meu grito mudo
Nunca de mim saiu,não era meu,fugiu-me...

3 sonharam comigo...:

KOTTA disse...

Sonhos este é realmente fantástico.Quantas e quantas vezes sorri, depois de lágrimas e lástimas
e mesmo assim dei alento.
Assim tem razão de ser o chamar-lhe uma mulher guerreira,que mesmo com seus lamentos a outros ainda dá alento.Mulher de força. Bjs da Kotta.

Gilvânia C. Duarte disse...

interresante.. pensar, sonhar, imaginar...as vezes é bom, as vezes ruim. Nos trazem alegria ou dor.

belo poema

Beijos*

Milésimo disse...

Nem sei o que dizer...
O poema é fantastico como sempre o fazes...
E como compreendo...

Bjs

Enviar um comentário